Após triplo homicídio em Cristinápolis, onde pessoas encapuzadas invadiram uma residência e mataram dois homens e uma mulher no último domingo (15/09), equipes da Polícia Militar que contaram com a colaboração de informações dos populares, chegaram até marginais armados que, segundo indícios, tem ligação com facção criminosa conhecida como PCC.

Tais suspeitos, encontravam-se no bairro Manoel Joaquim, periferia da cidade de Cristinápolis, a 120 quilômetros da capital sergipana, e quando avistaram os policiais militares passaram a efetuar disparos de arma de fogo contra os PMs. Houve então, resposta à injusta agressão, quando alguns dos suspeitos foram alvejados e após cessada a ação dos criminosos, os feridos foram encaminhados ao hospital da cidade, enquanto os ilesos foram diretamente para a Delegacia de Polícia Civil.

A operação policial, com participações de PMs do ordinário e da Força Tática do 11° BPM, do CIOPAC, do GTA e do Comando do CPMI, culminou com o seguinte resultado:

Drogas apreendidas:
– 49 pinos com cocaína
– 45 pedras de crack
– 1 balança de precisão

Armas apreendidas:
– 2 revólveres calibre .38
– 1 revólver calibre .32
– 1 escopeta calibre .12
– 17 munições de diversos calibres (a maior parte deflagradas durante o confronto)

4 Prisões por associação criminosa e tráfico de drogas:
– Queila Sales Silva (Esposa de João Preto, um dos foragidos, tido como o chefe do tráfico na região)
– Lucas Pinheiro dos Santos
– Alexandro Pinheiro dos Santos
– Luciano Farias Almeida (vulgo Banquinho o moto-taxista do crime)

1 preso por homicídio triplamente qualificado, associação criminosa e tráfico de drogas:
– Cleverson de Jesus Fonseca (confessou e deu detalhes do triplo homicídio e está hospitalizado com ferimento a tiro, que efetuou acidentalmente contra a própria perna durante a execução do crime)

4 mortos em confronto:
– John Lucas (sem documentos) armado com revólver calibre .32
– Lucas – Luquinhas (sem documentos) armado com revólver calibre .38
– Kevin Kairan de Jesus (sem documentos) armado com escopeta calibre .12
– Juliano – (sem documentos) armado com revólver calibre .38

Os suspeitos sem documentos tiveram seus nomes identificados pelos que foram presos também durante o confronto. Segundo o Tenente Coronel Alexsandro Ribeiro, comandante do 11° Batalhão, outras diligências darão continuidade às buscas por mais suspeitos de envolvimento com essa célula criminosa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.